Sinais de depressão durante a crise do coronavírus

As crianças que parecem paralisadas por um humor negativo podem precisar de ajuda para se recuperar.

À medida que a crise do COVID-19 continua, há uma coisa sobre a qual devemos estar muito vigilantes: a depressão, tanto em nossos filhos quanto em nós mesmos.

Sentir-se deprimido nesta época de inatividade forçada e incerteza constante é inevitável, e a maioria de nós luta para permanecer positiva. Mas a depressão é mais do que sentir-se triste ou ter dias ruins . Uma criança que parece estar presa a um estado de espírito negativo, sentindo-se sem esperança e incapaz de desfrutar de qualquer coisa, pode ter depressão e pode precisar de ajuda para se recuperar.

A depressão é um transtorno que geralmente começa na adolescência, mas pode ocorrer em crianças desde a idade pré-escolar. As crianças com histórico de depressão correm um risco particular durante esses períodos estressantes, mas eventos perturbadores significativos, como a pandemia, também podem desencadear a depressão em crianças que não apresentaram nenhum sintoma anteriormente.

Se busca por Tratamento com psicológico online, confira agora mesmo.

Fique atento a sinais de depressão

A depressão pode ser facilmente esquecida, especialmente em adolescentes, pois os adolescentes costumam estar de mau humor. Mas com a tristeza e a irritabilidade compreensivelmente amplificadas durante essa crise, os sinais podem ser ainda mais fáceis de serem perdidos pelos familiares, até mesmo pelos filhos. Da mesma forma, crianças e adolescentes que estão lutando podem não reconhecer seus próprios sintomas pelo que são.

Os sintomas de depressão incluem:

  • Tristeza ou irritabilidade incomum e persistente, mesmo quando as circunstâncias mudam
  • Perda de interesse em atividades de que você gostava; sentimentos reduzidos de antecipação
  • Mudanças de peso
  • Mudanças nos padrões de sono
  • Preguiça
  • Autoavaliação negativa  (“Sou feio. Não sou bom. Nunca vou fazer amigos.”)
  • Sentimentos de inutilidade, desesperança
  • Pensamentos ou tentativas de suicídio

Ajude as crianças a se sentirem à vontade para falar sobre seus sentimentos

A segunda coisa que os pais podem fazer, é promover um ambiente familiar no qual os filhos se sintam à vontade para compartilhar seus pensamentos e sentimentos .

Reserve um tempo para sentar e explorar como eles estão se saindo. As crianças podem precisar de um pouco de ajuda. Com tanta coisa acontecendo no mundo, as crianças mais velhas podem temer que seus sentimentos não sejam importantes e as crianças mais novas podem não ter palavras para explicar o que sentem. Encontre uma hora e, se possível, um lugar onde não seja provável que seja interrompido. Se você tem o hábito de verificar com seus filhos e eles sabem que serão ouvidos sem julgamento, é mais provável que eles informem você o que está acontecendo.

Se uma criança tiver sentimentos de tristeza ou depressão, reserve um tempo para falar sobre o motivo. É fácil para eles dizer “o vírus” e parar por aí. Mas encorajar seu filho a ser específico pode dar-lhe uma ideia mais clara do que está acontecendo e como você pode ajudá-lo. Por exemplo: seu filho está tendo dificuldades com o tédio ou perdendo suas atividades habituais? De decepção com eventos cancelados? De se sentir isolado de seus amigos? De preocupações com o futuro ou de temores de que eles ou alguém que eles amam adoeça ou até mesmo morra?

Tome medidas para envolver e encorajar seu filho deprimido

Se você está preocupado com o fato de seu filho estar entrando em depressão, não entre em pânico. Existem coisas que você pode fazer para ajudar em casa. Incentivá-los a fazer mudanças na maneira como pensam e como lidam com seus sentimentos pode ajudar a prevenir a depressão grave antes que piore. Comece ajudando seu filho:

Fique ativo . Incentive as crianças a participarem de atividades que lhes proporcionem uma sensação de realização, prazer, diversão ou conexão social todos os dias. Fazer algo pelos outros pode levantar seu ânimo. A atividade em si ajuda a proteger contra (e às vezes a tratar) a depressão.

Mantenha um senso de perspectiva . Pessoas que sofrem de depressão freqüentemente aumentam os problemas ou apenas prestam atenção a informações negativas, descartando eventos e experiências positivas. Ajude seu filho a evitar exagerar ou ficar obcecado sobre como as coisas estão ruins agora. Como pais, ajuda se você modelar isso para seus filhos, evitando o que os médicos chamam de “visualizar o catastrófico”: ficar obcecado por coisas terríveis que “podem acontecer” ou se concentrar apenas nos piores resultados possíveis.

Tolerar a incerteza e a ambiguidade . Estes são tempos incertos. Não há garantias (a não ser que a pandemia acabará e, em algum momento, retornaremos a uma vida um pouco mais normal). A prática da atenção plena pode ajudar seu filho a resistir à obsessão por possibilidades assustadoras e a aceitar a incerteza do momento. Você pode ajudar expressando sua confiança de que eles podem lidar com isso.

Desafie os pensamentos negativos . Ficar preso a padrões de pensamentos negativos distorcidos ou irreais pode contribuir para a depressão e fazer com que os sentimentos dolorosos pareçam opressores. Isso pode ser especialmente difícil de combater neste momento. Incentive seu filho a avaliar as evidências de coisas que o incomodam, por exemplo, se ele acha que isso durará para sempre e que nunca mais verá os amigos. Reveja os fatos: realisticamente, isso não durará para sempre. Então, o que você poderia fazer para se sentir mais conectado com os amigos nesse ínterim?

Faça planos . Trabalhe em conjunto para criar planos ou atividades que o ajudem a se sentir mais envolvido. Por exemplo, se assistir a uma aula de dança linear ajudaria você a fazer um exercício muito necessário, comece procurando aulas interessantes online e faça um projeto para criar um espaço de prática. Se eles estiverem entediados, concorde que vocês dois tentarão aprender uma nova habilidade, como tricotar ou assar pão. Ou se eles apenas sentem falta da socialização, incentive-os a iniciar um grupo de livros via FaceTime ou marcar um encontro noturno com o Zoom para assistir a uma minissérie com os amigos. O ato de fazer planos, concluir tarefas divertidas e criar estratégias pode fazer com que eles se sintam menos desamparados e sem esperança.

Tenha novos objetivos . Quando você perde algo valioso em sua vida, como todos temos feito ultimamente, é útil encontrar algo para substituí-lo. Ajude seus filhos a alcançar novos objetivos. Se o acampamento de verão não está acontecendo, em que mais você pode se concentrar durante o verão? Que nova habilidade eles podem aprender que será benéfica quando essa situação terminar? O que você pode fazer para beneficiar outras pessoas?

Concentre-se na gratidão . Incentive as crianças a fazer uma lista e refletir a cada dia sobre as coisas pelas quais são gratas e as pessoas a quem devem agradecer. Como você pode expressar essa gratidão?

Em busca de tratamento

Se o seu filho continuar a apresentar sintomas de depressão, é importante procurar ajuda profissional. Fale com o pediatra ou médico do seu filho para uma referência a um profissional de saúde mental ou entre em contato com um profissional de saúde mental diretamente.

O tratamento da depressão para adolescentes pode exigir persistência, porque muitas vezes eles se sentem desesperados e podem ter dificuldade em acreditar que podem melhorar. Mas o tratamento pode realmente ajudar. Existem vários tipos diferentes de terapia e medicamentos que se mostraram eficazes para crianças e adolescentes.

Outro desafio pode ser encontrar tratamento, já que a maioria dos médicos não atende pessoalmente os pacientes durante a crise. Mas muitos começaram a atender pacientes por telemedicina, online ou por mensagem de texto ou telefone durante a crise do coronavírus, e a terapia por meio da telemedicina também se mostrou eficaz.